CULTO DE ENSINO - 13/02/15

 

ESTUDO 2 - ISRAEL COMO SINAL ESCATOLÓGICO

Parte 1

 

Como vários outros assuntos, quando se fala da Nação de Israel, temos duas teologias opostas. A primeira, mais fundamentalista, afirma que a aliança de Deus com os judeus durou até a vinda de Cristo e que a Igreja hoje é o Israel espiritual, substituindo o Israel natural. Do outro lado, temos a linha teológica dispensacionalista, que afirma que Israel é o relógio de Deus, e que absolutamente tudo o que acontece no Oriente Médio é um importante sinal dos tempos do fim.

Antes de entrar neste mérito da questão, creio ser importante compreendermos um pouco da história deste povo, desde o seu nascimento no Antigo Testamento até os dias de hoje.

Segue um cronograma panorâmico bem resumido com os principais acontecimentos dos 6 mil anos de existência desta nação:


Observação: As datas anteriores ao nascimento de Jesus são aproximadas e variam de acordo com cada fonte.

2000 a.C. - Abraão sai de Ur dos Caldeus, em obediência ao chamado de Deus para dar inicio a uma grande nação, e se torna nômade, peregrino nas terras dos Cananeus (Canaã).

1690 a.C.  - José (um dos 12 bisnetos de Abraão) se torna governador do Egito após ser vendido como escravo. A seu convite, os israelitas (70 descendentes de Abraão) deixam a região de Canaã e estabelecem-se naquele país.

1400 a.C.  - Uma nova política governamental do Egito reduz à escravidão a todos os estrangeiros no país.  

1260 a.C.  - Moisés lidera a libertação do povo de Israel do jugo egípcio e dá início a uma jornada de 40 anos pelo deserto do Sinai até a chegada de Canaã.

1220 a.C.  - Israel dá início à conquista da terra dos cananeus sob a liderança de Josué, que depois divide as terras conquistadas em 12 territórios, divididos entre as 12 tribos (12 patriarcas, filhos de Israel/Jacó - neto de Abraão).

1002 a.C.  - Início da Monarquia em Israel com os reinados de Saul, Davi e Salomão.

950 a.C.  - Divisão de Israel em dois governos: 10 tribos no norte se unem formando o Reino do Norte e as tribos de Judá, Simeão e meia tribo de Benjamim formam o Reino do Sul.

722 a.C.  - Israel, o Reino do Norte, é conquistado e destruído pelos Assírios e os que sobrevivem são espalhados por todas as províncias conquistadas.

606 a.C. - Judá, o Reino do Sul, é invadido pelos Babilônios e os primeiros cativos judeus são levados para lá, onde permanecem por 70 anos.

586 a.C. - Destruição total de Jerusalém pelo Império da Babilônia.

536 a.C. - Retorno dos primeiros judeus exilados para Judá, dois anos depois de Ciro ter dado a permissão para que saíssem da Babilônia (Ciro, imperador da Pérsia, derrotou o império babilônico, e conquistou todas as nações antes dominadas por ele). Anos depois, os judeus concluem a reconstrução do templo e dos muros de Jerusalém.

475 a.C.  - Xerxes (rei da Pérsia) casa-se com Ester

331 a.C.  - Ascensão do Império Grego com Alexandre, o Grande. Expansão da língua grega em todas as terras conquistadas. Israel é colocado sob o jugo da Grécia.

320 a.C. - Israel cai no domínio dos Egípcios  - Ptolomeu (um dos generais gregos que dividiram o governo do império após a morte de Alexandre).

198 a.C. - Os Sírios declaram guerra contra os Ptolomeus e conquistam a Palestina sob a liderança de Antíoco, o Grande.

167 a.C.  - Revolta dos Judeus Macabeus e conquista temporária da autonomia de Israel.

63 a.C.  - Os romanos assumem o controle da região de Israel com Pompeu.

40 a.C.  - Herodes, o Grande, é nomeado rei da Judéia pelos romanos.

4 a.C.  - Nascimento de Jesus Cristo

4 d.C.  - Divisão do território de Israel em quatro regiões, chamadas de Tetrarquias, cada um sendo governada por um “Tetrarca” nomeado por Roma: 1. Samaria (Samaria, Judéia e Iduméia), 2. Galiléia (Galiléia e Peréia), 3. Basã (Decápolis) e  4. Abilene (Líbano e Antilíbano).

29 d.C. - Morte e Ressurreição de Jesus, início da Igreja com a descida do Espírito Santo. Início de “Atos dos Apóstolos”.

70 d.C. - Revolta dos judeus sufocada pelos romanos – destruição de Jerusalém. O templo é queimado, a cidade é arrasada, e os judeus sobreviventes se vêem obrigados a fugir para outras nações. Muitos partem para a Europa. Israel se transforma numa grande “cidade fantasma”, sob domínio romano, mas totalmente devastada e vazia.

131 d.C. - O imperador Adriano edifica a cidade de “Aelia Capitolina” sob as ruínas de Jerusalém e muda o nome de Israel para “Palestina” (“Filistia”, em latim - nome de um dos mais ferrenhos inimigos de Israel em toda a história antiga).

323 d.C. - O imperador Constantino faz do cristianismo a religião oficial do Império Romano, valorização o território da Palestina como lugar sagrado.

476 d.C. - Queda do Império Romano e a Palestina relegada ao esquecimento.

634 d.C. - A Palestina é, pouco a pouco, ocupada pelos árabes muçulmanos (califas), que conviviam em relativa paz com os poucos judeus da região.

750 d.C. - A Palestina é anexada ao governo sírio (ocupado pelos árabes).

960 d.C. - A Palestina é dominada pelos califas egípcios.

1.095 d.C. - Durante as campanhas das Cruzadas os católicos conseguem, por um tempo, conquistar Jerusalém massacrando judeus e muçulmanos que moravam na cidade.

1.187 d.C. - Jerusalém é reconquistada por Saladino (muçulmano curdo de Damasco) seguindo-se um período de constantes alternâncias de poder sobre a Palestina entre povos muçulmanos: abássidas de Bagdá, Fatímidas do Cairo, Seljúcidas da Turquia, mamelucos do Egito, mongóis, etc...

1.517 d.C. - A Palestina é agregada ao Império Turco-Otomano – período dos sultões. Segundo censos da época, o território era habitado por 100 mil judeus e 1 milhão de “palestinos” (árabes e descendentes de outras nacionalidades que nasceram na Palestina).

1.869 d.C. - Tem início o movimento sionista - campanha pelo ressurgimento da nação de Israel no território da Palestina.

1.914 d.C. - Na 1ª Guerra Mundial, os países aliados conquistam a Palestina e a ONU entrega à Grã-Bretanha o governo provisório da região. Três anos depois é assinado o Tratado de Balford que expressava o compromisso do governo inglês em criar um “lar nacional” para o povo judeu.

1.947 d.C. - A assembléia da ONU aprova a organização de um Estado Judeu (57% da área) e outro Árabe, sendo que a metade ocidental de Jerusalém ficaria sob autonomia judaica e a metade oriental sob autonomia palestina, mas os árabes não aceitam esta resolução.

1.948 d.C. - No dia 14/05 foi proclamado o Estado de Israel e as tropas inglesas se retiraram. No dia seguinte os Estados da Liga Árabe (Jordânia, Síria, Líbano, Iraque, Egito e Arábia saudita) invadiram o território de Israel. O conflito foi vencido pelos judeus que estenderam seus domínios por uma área de 20 mil quilômetros quadrados (75% da superfície da Palestina). O território restante foi ocupado pela Jordânia (anexou a Cisjordânia) e Egito (ocupou a Faixa de Gaza). A guerra ocasionou a fuga de 900 mil palestinos das áreas incorporadas por Israel.

1.964 d.C. - Criação da OLP – Organização para a Libertação da Palestina, cujo objetivo é a criação de um Estado autônomo Palestino.

1.967 d.C. - Guerra dos 6 dias - Israel é invadido por 4 países árabes (Síria, Jordânia, Egito e Argélia), que arrastaram consigo mais 8 Estados. Israel vence a batalha, e ocupa a faixa de Gaza; o Sinai (do Egito); as planícies de Golã (da Síria); a Cisjordânia (da Jordânia) e o lado oriental de Jerusalém. Todos estes territórios palestinos, desde então, permanecem sob o controle do governo de Israel (com exceção do Sinai que, posteriormente foi “devolvido” ao Egito como resultado de uma intervenção dos EUA). Israel promoveu vários assentamentos judeus na Cisjordânia, e mantém bloqueios rigorosos em vários locais, impedindo que palestinos entrem ou saiam de seus domínios.

2.006 d.C. -  Israel e Palestina fazem um acordo de paz: Israel promete retirar os assentamentos dos territórios ocupados em troca da paz. O acordo é rompido 8 meses depois.

 

Hoje, Israel continua ocupando as áreas conquistadas em 1.967 na guerra dos seis dias. Os palestinos que ali residem, lutam por sua independência. Faixa de Gaza e Cisjordânia são, hoje, as maiores zonas de conflito. Na verdade, o que a maioria dos povos árabes gostaria mesmo que acontecesse é que Israel "desaparecesse" do lugar.

Na próxima aula, veremos algumas profecias referentes ao povo judeu e ao Oriente Médio que ainda não se cumpriram. Ainda há muito por acontecer por lá antes que venha o fim de todas as coisas.



Prof. Márcia Rezende
Bacharel em Teologia e Educação Religiosa
Pastora na 3ª Igreja Batista de Marília

Leia também:

Estudo 1

Estudo 2

Estudo 3

Estudo 4

Estudo 5

Estudo 6

Estudo 7

 

 

 


 



Enquete
    Enquete
Nosso novo SITE está no "forno". O que você mais gostaria de encontrar por aqui:




votar - ver resultados

    Mural

fernando: bom dia irmãos, fiquei por muitos dias e horas na internet buscando informações para entender e ter uma opinião formada em relação a crise politica que vivemos , cheguei a seguinte conclusão , não adianta sair as ruas pedir o fim da corrupção , fora A ou fora B , temos que sair sim , mas para clamar a DEUS sua misericórdia sobre nós pois tudo o que acontece está sob sua permissão , se as coisas estão difíceis é DEUS nos avisando , TEMOS QUE BUSCAR A MELHORA EM DEUS QUE SABE DO QUE REALMENTE PRECISAMOS , E NÃO EM HOMEM NENHUM , me recordo que uma vez saímos para clamar a DEUS nas entradas e saídas de nossa cidade , será que não está na hora de sairmos novamente em clamor a DEUS ??? ESSA CRISE É RESULTADO DE MUITA OBSTINAÇÃO GENERALIZADA VAMOS REFLETIR ??? VAMOS AGIR ??? VAMOS PARA RUA CLAMAR ??? ou vamos esperar achando que nós mesmos vamos resolver ???

Servo do Altissimo : Estava eu, olhando o site dessa igreja e dentro de mim surgiu um sentimento tão gostoso, senti saudade. Saudade de não estar mais tão perto, de nao estar mais servindo como antes, de não estar mais louvando, adorando e aprendendo mais sobre o Deus que tudo pode. Ah se eu pudesse faria tantas coisas diferente, falaria e teria outros atos para conservar e ampliar a distância entre eu e essa igreja, que por tanto tempo religou eu a Deus. Ahh mas como somos falhos, deixamos levar por coisas futéis, pequenas, coisas que nos tiram o foco, deixando a visão desfocada, assim saimos do caminho que nos leva a Salvação. Como ja previa o profeta, até os jovens cansam e caem. Mas irmãos, mantenha firme no Senhor, olhe para o alvo, olhe para o Snehor que é de onde vem o socorro, olhe para Deus e corra para os braços DELE, onde há força, onde a esperança nao acaba, Ele é o Senhor, o Senhor de Todas as coisas. Escolhi por um tempo vender os meus ministérios para Satanas, troquei as veste de principe, por veste de luto, veste sujas, troquei a liberdade por uma escravidão, mas ela, a escravidão nao foi eterna, pois o Senhor de todas as coisas vive para Sempre, e os que estão na mãos dele nunca sai de lá, sou a prova disso, quando o meu alvo deixou de ser Cristo, e quando meu caminho não levaria a Cristo sentia que meu caminho não era ali, me perguntava: Meu Deus onde estou? Porque estou aqui? Oh Deus me ajuda, mas ele estava ali, de braços abertos para me abraçar e sorrir para mim. Oh Deus nunca me Deixou, o Espirto Santo começou a incomodar meu coraçao, podia ouvir filho, seu lugar não é aqui. Ahh como ele é Gentil, hoje voltei para a Casa para ser Casa novamente, casa do Senhor. Casa que ajuda a me ligar com Deus, me ensina, me leva a adorar o Deus, o único Deus, ALELUIA. Amada Igreja mantenha o foco em Cristo, amados pastores, vocês são um canal de benção, para todos nos, ovelhas do rebanho de Cristo. É um prazer fazer parte desse corpo, corpo únido, corpo sadável. Sendo igreja.

ENTRELÍDERES: Terça, dia 19 de Janeiro, teremos nosso primeiro encontro de 2016. Contamos com a presença de todos que ocupam alguma função de liderança na igreja. Será um tempo muito importante de comunhão, oração e compartilhamento. Não percam!

Alexandre - Rede Ministerial: Alexandre, recebemos seu recado e enviamos o material solicitado por email, mas o email voltou. Favor reenviar endereço para entrarmos em contato. Deus abençoe.

fernando: sim estamos vivendo os ultimos dias do governo humano na terra.A cada dia que se passa vemos a falência dos pilares humanos : Político , comércio , e religioso. Por isso é muito importante sabermos o que nosso Deus tem reservados p os que creem nele de verdade. (Mateus 6:10)=venha o teu reino , seja feita a tua vontade , assim na terra como no céu. (Daniel 2:44)=na época desses reis ,o Deus dos céus estabelecerá um reino que jamais será destruído e que nunca será dominado por nenhum outro povo ,destruirá todos os reinos daqueles reis e os exterminará , mas esse reino durará para sempre. (salmo 72:12)= Pois ele liberta os pobres que pede por socorro,os oprimidos que não têm quem os ajude.(Isaías 33:24)= Nenhum morador de Sião dirá: "estou doente!" E os pecados dos que ali habitam serão perdoados.(João 5:28,29)=Não fiquem admirados com isto,pois está chegando a hora em que todos que estiverem nos túmulos ouvirão a sua voz e sairão;os que fizeram o bem ressuscitarão para a vida, e os que fizeram o mal ressuscitarão para serem condenados. O entendimento da palavra de Deus nos ajuda a entender o que acontece hoje e o que está por vir....Deus nos abênçoe a todos.

Deixe seu recado

    SIGA NO TWITER
 Jesus, em todos os lugares, de todas as formas... Jesus, everywhere, in all forms... Jesús, por todas partes, en todas sus formas... Gèsus, partout, sous toutes ses formes... Yesu, bisika nionso, na ba ndenge nionso... Yisu, bifulu biakulu, ye mu mpila zakulu...